segunda-feira, 9 de julho de 2012

Eu e a minha irmã

temos 6 anos (e 6 dias) de diferença. Sou a mais velha. Fomos criadas pela mesma mãe, de maneira igualzinha. Já aqui o disse, é uma das poucas pessoas por quem dava a minha vida se fosse preciso. Fisicamente, apesar de ela ser um bom bocado mais alta que eu, somos parecidas. No entanto, em termos de feitio e de maneira de ser, somos o mais oposto possível. Quando éramos miúdas, se a minha mãe comprava um miminho para as duas era certo e sabido que nunca havia confusão: eu gostava de um e ela gostava do outro. Nunca guerreamos por alguma coisa, pois os nossos gostos sempre foram em sentidos opostos.

Isto tudo por causa de uma conversa que tivemos à hora do almoço. A maneira como eu encaro ex-relações é completamente diferente da dela. Para mim se acabou, acabou. Não quero saber rigorosamente nada sobre o "outro" na sua vida "pós-Carla". Para quê? Ela não. Está sempre à procura de qualquer informação. Não para interferir na vida do outro, apenas por curiosidade (mórbida, para mim). E, tal como lhe disse, para se martirizar.

E é nestas alturas que eu preferia que sempre tivessemos guerreado pelos brinquedos e que ela sempre gostasse das mesmas coisas que eu... não gosto nada de a ver triste.

8 comentários:

  1. Engraçado como a teoria da educação não é assim tão preto no branco. Duas irmãs criadas de igual forma pela mesma mãe e são tão diferentes :)
    Quanto ao tema, olha sou como tu. Mesmo aquela coisa do ser amigo no pós relação. Tá bem abelha. Nem entendo como isso é possível. Não significa ser inimiga mortal, mas amiga, confidente, de andar sempre a para da vida, fogo. Se a relação acabou por algum motivo foi...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando me divorciei oficialmente, o meu ex-marido casou passado 6 meses. Toda a gente me perguntou pormenores e eu simplesmente respondi que não sabia e nem sequer tinha curiosidade em saber nenhum pormenor, porque já não fazia parte da minha vida (apenas da do meu filho). Espantam-se quando ainda hoje digo que só vi a madrasta do meu filho mais velho apenas uma vez (e de fugida, quando o fui levar para passar um fim-de-semana com o pai) em 12 anos (seriam mais, se contassemos os anos em que ainda era casada com ele, mas isso não interessa...). Mas para quê? Apenas lido com o meu ex-marido quando tenho que esclarecer qualquer coisa sobre o nosso filho e mais nada. Acho que nestas coisas temos que seguir em frente e não ficar a "moer" naquilo que já não existe.

      Eliminar
  2. O problema, é que ela assim acaba por sofrer mais :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas isso é o que estou sempre a dizer...

      Normalmente fazemos um período de "luto" quando a relação acaba, mas depois temos que seguir em frente.

      Eliminar
  3. Também penso e sinto que quando uma relação acaba, acabou. Embora em situações de casamentos falhados com filhos, é saudavel na minha opinião haver cordialidade por eles, mas não mais que isso. Todos diferentes, todos iguais :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os contactos que existem entre mim e o meu ex-marido são exclusivamente para tratar de assuntos do nosso filho. Acho que não há necessidade de mais.

      Eliminar
  4. É aqui que vemos quem nos é importante na vida...!!!
    Dou imenso valor!
    Fico feliz por te dares tão bem com a tua mana.

    Um beijo doce nas duas!!!

    BE ALWAYS THERE FOR HER

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha mãe e a minha irmã são os meus pilares. Como já disse, dava a minha vida por elas. E é por isso que sofro quando as vejo sofrer.

      Um beijo grande para ti também Paulinha

      Eliminar

Labels

... (186) ' (1) 'Cóltura (1) 'o melhor país do mundo' (9) 'o melhor país do mundo'; (1) 'One Good Deed a Day' (15) "Cóltura" (5) "o melhor país do mundo" (78) 101 coisas em 1001 dias (4) 2010 (8) 2011 (7) 2012 (6) 2013 (2) 2013 Technicolor (55) 2014 (3) 25 de Abril (2) 30 dias para o Natal 30 agradecimentos (30) 31 dias para o Novo Ano 31 desejos (31) a idade não perdoa (1) a minha família (9) a minha família e a blogosfera (3) a vida como ela é (121) actualidade (1) ai (1) ai... (1) alegria no trabalho (1) almoço (1) amigos (8) animais (12) aniversários (38) aprender (2) aquilo que eu acho (1) as amantes do verão (31) atletismo (1) atrasados mentais (2) Benfica (5) blog (36) blogger (2) Blogosfera (162) Boas ideias (1) bullying (1) cabeça no ar (2) calor (1) cansaço (1) Carnaval (5) cinema (21) Citações (26) coisas boas (4) coisas da maternidade (1) coisas giras (2) coisas hilariantes (1) coisas minhas (89) coisas que gosto (142) coisas que me acontecem (1) coisas que me sabem bem (1) coisas que não compreendo (2) coisas raras (1) coisas sem interesse nenhum (1) coisas simples (1) conselhos (5) crise (1) crónicas (1) culinária (18) de vez em quando sabe bem desabafar (1) decisões em família (1) desafio 12 meses (12) desafios (143) desporto (3) dias especiais (17) dinheiro (52) doenças (37) eleições (10) escritores (1) escritos que gosto (3) estação favorita (2) estações favoritas (5) Eu (283) eu sou assim (4) Eu sou dadora de sangue com muito orgulho (1) Eu sou dadora de sangue com nuito orgulho (1) exageros (1) F/M (4) faltas de educação (15) Família (103) (9) felicidade (6) férias (107) Filhos (199) fim-de-semana (1) finanças (6) fobias (1) fora do trabalho (1) fotografia (94) fruta (1) Futebol (44) grandes verdades que vou encontrando por aí (1) greve (2) gulodices (1) hobbies (23) idade (1) Idiotas com "i" grande (1) idiotices sem explicação (6) indecisões... (4) Inícios (8) intuição (1) irmã (1) irritações (1) jornais (16) justiça para todos? (14) liberdade (2) Lisboa (1) livros (80) marmitas (1) mau feitio (1) mau feitio... (209) mazelas minhas (2) mimos (15) momentos bons (1) Mundo (49) música (106) música/dança???? (1) Natal (72) net (62) o melhor país do mundo (9) Pai (5) palavra do dia (36) parvoíces (3) parvoíces minhas (1) parvoíces... (59) pausas que me sabem bem (1) pequenos prazeres (1) perda de peso (7) pessoas especiais (39) pessoas por aí (1) Pobre Portugal... (8) poesia (1) Política (125) Portugal (128) Portugal - liberdade (4) Portugal. liberdade (4) poupança (7) praia (3) preguiçosa (1) Projecto 365 (67) publicidade (30) quando eu era pequenina (6) Rádio (25) reflexões (56) relaxar (4) revistas (3) Saúde (36) selos (4) sobre os preconceitos e as lições que a vida nos dá (1) sol (1) solidariedade (2) sonhos... (1) Tejo (1) Tempo (115) tenho frio (1) todos diferentes todos iguais (1) tontices (2) trabalho (158) trabalhos manuais (2) trânsito (3) transportes (6) tv (80) vícios (6) vida escolar (45) YES (1)

Também leio...

As fotografias inseridas neste blog têm origem em:

- Mim própria;
- i can read;
- And it's love;
- vi.sualise.us;
- google;
- Pinterest

Qualquer foto vossa que aqui estiver e que não queiram publicada, digam, que eu retiro imediatamente.