sexta-feira, 2 de março de 2012

2 de Março - Mãe / Pai

Post extenso, atendendo ao tema muito especial para mim.

Mãe / Pai. Os dois. São, cada um à sua maneira, os meus heróis. Os meus pontos de referência. Eu só espero que os meus filhos um dia tenham tanto orgulho em mim, como eu tenho nos meus pais. E seria totalmente impossível escolher um dos dois.

O meu pai. Tal como eu perdeu o pai dele aos 15 anos. Vindo de uma família de 7 irmãos, era o mais novo e foi um "engano da menopausa". A vida não era fácil e fez um bocadinho de tudo durante a sua vida. Desde pastor, passando por aprendiz de sapateiro, nenhum trabalho o assustava. Veio da pequena aldeia para a grande cidade de Lisboa aos 18 anos com apenas a 4.ª classe. Alguns anos depois, com muita "pestana queimada" chegou ao 2. ano de Matemática na Universidade. Não continuou mais porque o emprego que tinha na altura (e que manteve até ao final da vida) não criava qualquer condição especial para trabalhadores estudantes e o horário do curso não era compatível com o trabalho. Fez gato sapato para que não faltasse nada à sua família, mesmo em seu prejuízo. Todos o estimavam, deixou marcas em todos os que o conheceram. Era um matemático brilhante. Ensinava-a com mestria aos outros e todos o recordam como um excelente professor. Com ele aprendi também o prazer da música, com ela aprendi o prazer da leitura, com ele aprendi que se pode ser forte mas também fraco, duro mas também sensível, e que não há mal nenhum nisso. Perdi-o demasiado cedo, quando possivelmente precisava mais dele, e quando finalmente ele entrava numa fase de estabilidade a todos os níveis, em que previa um futuro risonho para si e para nós. Sempre ouvi dizer que só os bons é que morrem cedo, os maus ficam cá para nos azucrinar. Ele era um dos bons. Tenho muitas, muitas, muitas saudades dele.

E a minha mãe. A minha mãe não veio da aldeia, nasceu aqui em Lisboa, mas também não teve uma vida nada, nada fácil. Nasceu no seio de uma família pobre e completamente disfuncional, era a mais velha de três irmãos, e foi rejeitada pela mãe em pequenina. Ainda viveu alguns anos com ela (demasiados no meu ver), mas felismente uma tia (irmã do meu avô) "adoptou-a"e educou-a como ela merecia. Até esse momento, passou fome (ela conta episódios de a avó andar "aos caixotes" na praça, para conseguir fruta e legumes que se pudessem aproveitar), sofreu abusos psicológicos (fico na dúvida se também físicos, mas isso ela não conta), enfim, teve uma vida que nenhuma criança deve ter. Quando a tia (lembram-se dos livros antigos de uma tia minha? Era esta...) a "apanhou", deu-lhe uma vida condigna e, apesar de não ter avançado muito na escola (ficou-se pela 4.ª classe), a minha mãe nunca cruzou os braços para provar que merecia essa vida. Tal como o meu pai, fez um bocadinho de quase tudo, só tendo deixado de trabalhar por mim que necessitei de cuidados especiais de saúde nos meus primeiros anos de vida. Com a vinda da minha irmã (tal como o meu pai, ela também foi uma surpresa, apesar de por motivos diferentes), resolveu dedicar-se exclusivamente a nós (e ao meu pai). Era a minha mãe, uma mãe normal, tínhamos uma relação mãe/filha normal. Até que a vida resolveu dar-lhe a volta outra vez e roubar-lhe o seu pilar. Num acidente estúpido perdeu o seu companheiro de quase 20 anos, e ficou com sequelas graves que a impossibilitaram de fazer uma vida normal. Sem emprego, com uma pensão de sobrevivência pequena, pequena, a recuperar de um traumatismo craniano e com a mão direita semi-paralizada, arregaçou as mangas e fez-se à vida para que nada nos faltasse. Quando eu hoje falo no assunto, ela diz que não se lembra disso (pois sim...), mas eu lembro-me (tinha 14/15 anos, já percebia as coisas) de ela não comer algumas vezes para nós comermos. Com restos de amostras de tecido que uma vizinha lhe dava, fez-nos a roupa que nos faltava (tinha a mão direita semi-paralisada, lembram-se?). Contava os tostões, até ao centavo. Fez das tripas coração, mas conseguiu.  Conseguiu, do alto do seu metro e quarenta (isso mesmo!), criar duas filhas que se orgulham muito, muito, muito da mãe e da pessoa que ela é. E digo com toda a propriedade, É A MELHOR MÃE DO MUNDO.

Percebem agora porque é que eles são os meus heróis? Eu só espero que os meus filhos um dia tenham tanto orgulho em mim, como eu tenho nos meus pais.

18 comentários:

  1. É tão bom ter uns pais assim. Fico feliz por ti! :)

    Bom fim-de-semana.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Sofia.

      Um bom fim-de-semana para ti também.

      Beijo

      Eliminar
  2. E hão-de ter com toda a certeza!
    Obrigada pela partilha é sempre bom conhecer-mos um pouco mais que está desse lado.
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estes desafios têm essa qualidade, dar-nos a conhecre um bocadinho ao outros. Obrigada Ana.

      Beijo e bom fim-de-semana

      Eliminar
  3. Até me arrepiei ao ler este teu post. Grande pais, sim senhora. Muito tens de te orgulhar! Bj**

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo grandes (embora a minha mãe seja pequenina:)). Obrigada Tanita, sei que é um assunto dfícil para ti.

      Beijinho e bom fim-de-semana

      Eliminar
  4. ja me puseste emocionada.
    tens que ter muito orgulho sim.
    bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anita, obrigada. Quando vi este tema no teu desafio, soube logo que era a história deles que tinha que partilhar.

      Beijo e bom fim-de-semana.

      Eliminar
  5. Possas agora fiquei comovida.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  6. Sei desse orgulho de que falas!
    Perdi a minha mãe aos 16 anos e o meu pai pouco depois de ter feito os 31... trabalharam muito, não tanto como os teus pais, mas ensinaram-me o valor das coisas!
    Os teus pais foram e sempre serão heróis!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz-me bem falar deles, sabes? Acho que acaba por ser uma maneira de me fazer andar para a frente, principalmente nos dias em que me sinto a fraquejar.

      Bom fim-de-semana Naná.

      Eliminar
  7. Querida Carla, gostei muito desta tua homenagem, aos teus pais. E ainda nos queixamos das dificuldades da vida, dos dias de hoje... os nossos pais, passaram por muito mais dificuldades e tornaram-se pessoas dignas e de que nos orgulhamos.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Turista. Quando estou em baixo é neles que penso, é na sua capacidade de reinventarem perante as dificuldades.

      Beijinho

      Eliminar
  8. Oh Carla conseguiste por-me com a lágrima no olho :)
    Linda homenagem aos teus pais. Bj.

    ResponderEliminar
  9. É uma história de deixar lágrimas nos olhos. Realmente, tens muito de que te orgulhar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. É a eles e à sua história que vou buscar força para o passar dos meus dias.

      Beijinho.

      Eliminar

Labels

... (186) ' (1) 'Cóltura (1) 'o melhor país do mundo' (9) 'o melhor país do mundo'; (1) 'One Good Deed a Day' (15) "Cóltura" (5) "o melhor país do mundo" (78) 101 coisas em 1001 dias (4) 2010 (8) 2011 (7) 2012 (6) 2013 (2) 2013 Technicolor (55) 2014 (3) 25 de Abril (2) 30 dias para o Natal 30 agradecimentos (30) 31 dias para o Novo Ano 31 desejos (31) a idade não perdoa (1) a minha família (9) a minha família e a blogosfera (3) a vida como ela é (121) actualidade (1) ai (1) ai... (1) alegria no trabalho (1) almoço (1) amigos (8) animais (12) aniversários (38) aprender (2) aquilo que eu acho (1) as amantes do verão (31) atletismo (1) atrasados mentais (2) Benfica (5) blog (36) blogger (2) Blogosfera (162) Boas ideias (1) bullying (1) cabeça no ar (2) calor (1) cansaço (1) Carnaval (5) cinema (21) Citações (26) coisas boas (4) coisas da maternidade (1) coisas giras (2) coisas hilariantes (1) coisas minhas (89) coisas que gosto (142) coisas que me acontecem (1) coisas que me sabem bem (1) coisas que não compreendo (2) coisas raras (1) coisas sem interesse nenhum (1) coisas simples (1) conselhos (5) crise (1) crónicas (1) culinária (18) de vez em quando sabe bem desabafar (1) decisões em família (1) desafio 12 meses (12) desafios (143) desporto (3) dias especiais (17) dinheiro (52) doenças (37) eleições (10) escritores (1) escritos que gosto (3) estação favorita (2) estações favoritas (5) Eu (283) eu sou assim (4) Eu sou dadora de sangue com muito orgulho (1) Eu sou dadora de sangue com nuito orgulho (1) exageros (1) F/M (4) faltas de educação (15) Família (103) (9) felicidade (6) férias (107) Filhos (199) fim-de-semana (1) finanças (6) fobias (1) fora do trabalho (1) fotografia (94) fruta (1) Futebol (44) grandes verdades que vou encontrando por aí (1) greve (2) gulodices (1) hobbies (23) idade (1) Idiotas com "i" grande (1) idiotices sem explicação (6) indecisões... (4) Inícios (8) intuição (1) irmã (1) irritações (1) jornais (16) justiça para todos? (14) liberdade (2) Lisboa (1) livros (80) marmitas (1) mau feitio (1) mau feitio... (209) mazelas minhas (2) mimos (15) momentos bons (1) Mundo (49) música (106) música/dança???? (1) Natal (72) net (62) o melhor país do mundo (9) Pai (5) palavra do dia (36) parvoíces (3) parvoíces minhas (1) parvoíces... (59) pausas que me sabem bem (1) pequenos prazeres (1) perda de peso (7) pessoas especiais (39) pessoas por aí (1) Pobre Portugal... (8) poesia (1) Política (125) Portugal (128) Portugal - liberdade (4) Portugal. liberdade (4) poupança (7) praia (3) preguiçosa (1) Projecto 365 (67) publicidade (30) quando eu era pequenina (6) Rádio (25) reflexões (56) relaxar (4) revistas (3) Saúde (36) selos (4) sobre os preconceitos e as lições que a vida nos dá (1) sol (1) solidariedade (2) sonhos... (1) Tejo (1) Tempo (115) tenho frio (1) todos diferentes todos iguais (1) tontices (2) trabalho (158) trabalhos manuais (2) trânsito (3) transportes (6) tv (80) vícios (6) vida escolar (45) YES (1)

Também leio...

As fotografias inseridas neste blog têm origem em:

- Mim própria;
- i can read;
- And it's love;
- vi.sualise.us;
- google;
- Pinterest

Qualquer foto vossa que aqui estiver e que não queiram publicada, digam, que eu retiro imediatamente.